quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Prémio UNESCO / ACIDI para a reportagem "Meu Filho Chocolate"

O Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI), a Comissão Nacional da UNESCO e o Gabinete para os Meios de Comunicação Social promoveram, no dia 9 de Dezembro, a Cerimónia de Entrega dos Prémios de Jornalismo Direitos Humanos & Integração. A Cerimónia contou com a presença do Ministro da Presidência, do Ministro dos Assuntos Parlamentares e do Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, tendo integrado uma conferência do Dr. Mário Soares, sobre os 60 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.
João Paulo Baltazar e João Félix Pereira, da TSF, foram premiados com a reportagem “Meu Filho Chocolate”. Uma reportagem emotiva que contou com a participação de várias pessoas que adoptaram os seus filhos “cor de chocolate”.
Nesta reportagem é focado o preconceito sentido e vivido na primeira pessoa por aqueles que não só se atreveram a adoptar um filho, como adoptaram um filho “cor de chocolate” e, num caso específico, esse filho veio de um dos quatro cantos do mundo.

A reportagem “Meu Filho Chocolate” foi duplamente premiada, pela Unesco e pela ACIDI.

Parabéns, João Paulo Baltazar!
A Associação Meninos do Mundo presta aqui a sua homenagem ao fantástico trabalho concebido por este jornalista da TSF.
Parabéns ao profissional!
Parabéns ao Homem João Baltazar!
Parabéns à TSF!

A reportagem irá para o ar amanhã depois das notícias das 19h e poderá ser ouvida no site da TSF aqui.

16 comentários:

Zaka disse...

Muitos, muitos parabéns!!!!
Lembro-me de ouvir essa reportagem quando estava indecisa entre ir ou não para uma adopção em Cabo Verde... como se pode ver, pela Kuka aqui ao meu colo, a decisão foi positiva!!!! E lembro-me de cada palavra.. obrigado a quem testemunhou e me ajudou assim na melhor decisão da minha vida!

Teresa Domingues disse...

Emocionei-me ...
Adorei ...
Um dia, serei eu, a dar uma entrevista a estes grandes senhores da TSF, a partilhar a MINHA história com todos vocês!

Muitos parabéns!!!

**s

Meninosdomundo disse...

Obrigada às duas, Zaka e Teresa Domingues.
Também eu, um ano depois de ter participado nesta reportagem, me emociono a ouvi-la de novo.

Um abraço.

Pela equipa da Meninos do Mundo.

Maria João Louro

Alexandre disse...

Maravilhosa iniciativa. Mas recentemente descobri que uma criança adotada no estrangeiro por um nacional português tem menos direitos. O adotado adquire a nacionalidade derivada, como uma naturalização, mesmo sendo adoção plena. Assim, não passa a nacionalidade aos descendentes, a não ser que nasçam em Portugal. Enfim, achei deprimente a distinção da legislação. Vamos ver se com o tempo o preconceito é minimizado.

Meninosdomundo disse...

Obrigada, Alexadre, pelo seu comentário.
A Meninos do Mundo está atenta à situação que descreve e tomará as iniciativas que se justifiquem.

Bom Ano Novo.

Um abraço.

Pela equipa da Meninos do Mundo
Maria João Louro

Alexandre disse...

Prezada Maria João Louro,
Chamo a atenção para a questão porque a Associação Meninos do Mundo conhece por dentro a adoção internacional. Vivi essa situação, meus avós são portugueses, meu tio é filho biológico nascido no Brasil e minha mãe é adotada plena nascida no Brasil. Embora ela tenha rompido seus vínculos jurídicos e afetivos com os progenitores biológicos, ter sido adotada com um ano de idade, ela não é portuguesa originária como o irmão. Logo, meus primos são originários, mas eu, não. Sequer sou português porque solicitei na maioridade e daí já tinha perdido o direito.
Agradeço sua atenção e mais uma vez parabenizo a iniciativa.
Abraço!

Meninosdomundo disse...

Caro Alexandre,
Hoje mesmo entrei em contacto com os Registos Centrais em Lisboa por causa deste assunto.

Obrigada mais uma vez pelo seu testemunho.

Pela equipa da Meninos do Mundo.

Maria João Louro

Alexandre disse...

Prezada Maria,
Ouvi a reportagem mencionada e me emocionei. Tenho desejo de adotar num futuro não distante e o que ouvi me incentivou muito. Também sou sensível à questão da adoção porque, como já mencionei, minha mãe foi adotada. Graças ao amor incondicional dos meus avós, tivemos mais oportunidades e felicidade. A reportagem fala do "chocolate", meu caso é o contrário. Biologicamente descendemos de alemães, que para o Brasil vieram trabalhar nas fazendas de café. Eram muito pobres e por isso não tiveram condição de criar seus 6 filhos, oferecendo 4 para a adoção. Por isso sou loiro e tenho olhos azuis, mas sou luso-brasileiro. Já meus avós, por excesso de zelo, não contaram à minha mãe que ela fora adotada. Por circunstâncias do momento, ela veio a descobrir com 31 anos, na ocasião da morte do pai; sua mãe já havia falecido quando ela tinha 9 anos. Meu avô era um militante de Portugal aqui no Brasil, participou de tudo que se vinculava à colônia, associações, hospitais, etc. E promoveu o quanto pode sua cidade, tanto que lá foi homenageado com uma rua em seu nome. Por toda essa história, foi para mim muito frustrante conhecer a lei de nacionalidade e ser excluído "pelo sangue". Estou consultando advogados para ver se não há uma maneira de questionar a lei pela constituição ou pelo código civil. Caso você venha a obter qualquer informação sobre o assunto, boa ou má, não deixe por favor de mencionar no blog. Aliás, sua ida aos Registos Centrais rendeu em alguma informação favorável? Mais uma vez, agradeço sua atenção! Abraço, Alexandre.

Alexandre disse...

Um português naturalizado não é o mesmo do que um originário, conceitualmente. Não sei como é em Portugal, mas no Brasil estão vedados alguns cargos da República, como o presidente e outros da linha de sucessão. Além das questões de transmissão dessa nacionalidade. Mas não me indignei por razões práticas. Até porque sou italiano e poderia viver em Portugal como tal.
Minha questão, sem querer ser chato ou implicante, é não aceitar a discriminação. O Brasil e a Itália não fazem diferença, o adotado pleno tem nacionalidade atribuída.
Mas eu penso que, como a lei da nacionalidade não está na Constituição, é possível contestá-la, assim como foi na Itália, que antes diferenciava homens e mulheres, o que foi alterado graças a ações judiciais. Estou me informando para ver o que é possível fazer. Eu sei que a questão da adoção tem problemas mais imediatos e graves, mas cada um se ocupa de algo para que todo o sistema se aperfeiçoe. Gostei muito do que disse na entrevista, não podemos chorar ou ser mal-educados para sempre. Com realismo, vou ver o que é possível fazer. Abraço.

Meninosdomundo disse...

Boa noite, Alexandre,
É possível dar-me o seu e-mail, enviando um e-mail para o nosso endereço electrónico? meninosdomundo@gmail.com

Obrigada.

Maria João Louro

Alexandre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rosario disse...

Será que me podem ajudar?
Gostaria de saber se sendo eu casada só desde Julho/08 (2º casamento)se me posso candidatar a uma adopção internacional ou tenho que ser casada há 5 anos, como em Portugal. E outra questão é: sendo o meu marido espanhol mas estando a viver em Portugal se nos podemos candidatar a adoptar na China, pois Portugal não tem portocolo. Agradeço a ajuda dos Meninos do Mundo

Meninosdomundo disse...

Cara Rosário,

Obrigada pela sua mensagem.
De acordo com a legislação Portuguesa necessita de 4 anos de casamento ou de união de facto para se candidatar, juntamente com o seu marido, a um processo de adopção quer nacional, quer internacional.
Uma vez que são residentes em Portugal, o processo tem de correr junto do organismo da Segurança Social da vossa área de residência e só posteriormente será reencaminhado para o país no qual pretendem adoptar.
No entanto, não são possíveis candidaturas de residentes em Portugal para a China. Efectivamente, não existe protocolo bilateral entre Portugal e a China.

Informamos, ainda, que o site da Meninos do Mundo já se encontra on-line. Assim sendo, este blog irá ser desactivado em breve.

Poderá, ainda, contactar-nos para o seguinte endereço: meninosdomundo@gmail.com

Com os melhores cumprimentos.

A equipa da Meninos do Mundo

Meninosdomundo disse...

O site da Meninos do Mundo já se encontra on-line: www.meninosdomundo.org

A equipa da Meninos do Mundo

fénix renascida disse...

Gostaria de saber se estás interessado(a) em assinar as minhas duas petições online.

A primeira defende que, em caso de separação, os filhos devem permanecer à guarda da mãe (salvo excepções, claro). Está em http://www.peticaopublica.com/?pi=P2009N575

A segunda é a favor de toda a pessoa deficiente. Está em http://www.peticaopublica.com/?pi=P2009N134

Sandra disse...

Ola.

vi uma reportagem na televisao, qual fiquei comovida. Gostaria de fazer voluntariado com esta associacao pela qual tenho muito respeito e compaixao. Podera me dizer se sera possivel? e como? Vivo na Suica.
Parabens!
Sandra